Tecnologia em Metalurgia, Materiais e Mineração
https://tecnologiammm.com.br/article/doi/10.4322/tmm.2013.033
Tecnologia em Metalurgia, Materiais e Mineração
Artigo Original

CARACTERIZAÇÃO FÍSICO-QUÍMICA DE PLACAS DE CIRCUITO IMPRESSO DE APARELHOS DE TELEFONE CELULAR

PHYSICAL CHEMISTRY CHARACTERIZATION OF PRINTED CIRCUIT BOARD OF MOBILE PHONES

Sant'ana, Hellington Bastos da S. de; Moura, Francisco José; Velt, Hugo Marcelo

Downloads: 1
Views: 437

Resumo

Atualmente, um dos setores que mais se desenvolve é a indústria eletroeletrônica. À medida que tecnologias evoluem, barateando os produtos, o consumo de eletroeletrônicos aumenta. A vida útil de tais produtos é relativamente curta e, em pouco tempo, esse material torna-se resíduo, conhecido como sucata eletrônica. Um tipo de sucata eletrônica comum é o telefone celular. Esta sucata representa uma matéria-prima interessante, pois contém metais base, quantidade considerável de metais valiosos e elementos perigosos. Neste trabalho, as sucatas passaram por várias etapas de processamento mecânico: inicialmente foram separados em lotes, conforme ano de lançamento (<2001; >2002), e desmontados manualmente. As placas de circuito impresso foram moídas abaixo de 1 mm. Foram realizadas separações por massa específica e magnética. As frações obtidas ao longo do processamento mecânico foram caraterizadas por análises químicas. Com o processamento mecânico é possível obter frações metálicas de até 80% em massa. Foi realizado um ensaio de lixiviação a fim de caracterizar a periculosidade do resíduo, de modo que a sucata de telefones celulares deve ser considerada na classe de resíduo perigoso devido à concentração de chumbo acima do limite estabelecido pela legislação brasileira.

Palavras-chave

Caracterização, Lixo eletrônico, Metais, Reciclagem

Abstract

Nowadays, electronics industry is the leading sector in developing new technologies. These new technologies lead to cheaper products increasing the consumption. The lifetime of such products is relatively short and soon it becomes waste, known as electronic waste. Cell phone is a common electronic waste. This waste represents an interesting raw material, because it contains large amount of base metals, considerable amount of valuable metals and also those dangerous. In this work, the electronic waste was submitted to mechanical processing: initially the devices were separated into two categories, as year of release (<2001; >2002) and disassembled manually. The printed circuit boards were milled below 1 mm and then submitted to density and magnetic separation processes. The fractions obtained during the mechanical processing were characterized by chemical analysis. Using mechanical processing it was possible to obtain metal fractions of 80 wt%. A leaching test was carried out to determine if a waste needs to be managed as a hazardous; so that, cell phone waste must be considered in the category of hazardous residue because the lead concentration was above the limit established by Brazilian Standards.

Keywords

Characterization, Electronic waste, Metals, Recycling

Referências



1. Hagelüken C. Opportunities & challenges to recover scarce and valuable metals from electronic devices. In: OECD – UNEP Conference on Resource Efficiency; 2008 April 24 [acesso em 27 mar 2012]; Paris, France. Disponivel em: http://www.docstoc.com/docs/98210112/Opportunities-_-challenges-to-recover-scarce-andvaluable- metals

2. Pettey C. Gartner says worldwide mobile phone sales to end users grew 8 per cent in fourth quarter 2009; Market remained flat in 2009. Gartner Newsroom [Online]; 2010 Feb 23 [acesso em 4 maio 2010]. Disponível em: http:// www.gartner.com/it/page.jsp?id=1306513.

3. Monteiro M, Moreira D, Chinelatto MA, Nascente P, Alcântara N. Characterization and recycling of polymeric components present in cell phones. Journal of Polymers and the Environment. 2007;15:195-199. http://dx.doi. org/10.1007/s10924-007-0060-9

4. Umicore. Manual de reciclagem do lixo eletrônico. Guarulhos; 2005 [citado em: 4 maio 2010]. Disponível em: http://www.umicore.com.br/nossosNegocios/recycling/pmr/manualUmicore/.

5. Associação Brasileira de Normas Técnicas. NBR 10.005. Procedimento para obtenção de extrato lixiviado de resíduos sólidos. Rio de Janeiro; 2004.

6. Veit HM. Emprego do processamento mecânico na reciclagem de placas de circuio impresso [dissertação de mestrado]. Porto Alegre: Universidade Federal do Rio Grande do Sul; 2001.

7. Campos AR, Luz AB, Carvalho EA. Separação em meio denso. In: Luz AB, Sampaio JÁ, Almeida SLM. Tratramento de minérios. Rio de Janeiro: Cetem/MCT; 2004. p. 270-301.

8. Porto CG, Palermo N, Pires FRM. Panorama da exploração e produção de ouro no Brasil. Trindade RBE, Barbosa Filho E. Extração de ouro: princípios, tecnologia e meio ambiente. Rio de Janeiro: Cetem/MCT, 2002. p. 1-23. PMid:11875242.

9. U.S. Geological Survey. Minerals yearbook: metals and minerals. Washington, DC; 2005.

10. Outokumpu HSC Chemistry for Windows v.5.0: chemical reaction and equilibrium software with extensive thermochemical database [software]. Espoo: Outotec; 2002.

11. Veit HM. Reciclagem de cobre de sucatas de placas de circuito impresso [tese de doutorado]. Porto Alegre: Universidade Federal do Rio Grande do Sul; 2005.

12. Associação Brasileira de Normas Técnicas. NBR 10.004. Resíduos sólidos: classificação. Rio de Janeiro; 2004.

13. Associação Brasileira de Normas Técnicas. NBR 10.006: Procedimento para obtenção de extrato solubilizado de resíduos sólidos. Rio de Janeiro; 2004.
588696e57f8c9dd9008b4750 tmm Articles
Links & Downloads

Tecnol. Metal. Mater. Min.

Share this page
Page Sections