Tecnologia em Metalurgia, Materiais e Mineração
https://tecnologiammm.com.br/doi/10.4322/2176-1523.20191861
Tecnologia em Metalurgia, Materiais e Mineração
Artigo Original

CARACTERIZAÇÃO FÍSICA, QUÍMICA E MINERALÓGICA DE UMA AMOSTRA DE MINÉRIO DE FERRO DE BRUCUTU

PHYSICAL, CHEMICAL AND MINERALOGICAL CHARACTERIZATION OF A BRUCUTU IRON ORE SAMPLE

Geriane Macedo Rocha Gizele Maria Campos Gonçalves Kennedy da Silva Ramos Tiany Guedes Cota Rosa Malena Fernandes Lima

Downloads: 1
Views: 207

Resumo

A caracterização de um minério permite a previsibilidade do seu comportamento frente aos processos de concentração. Apenas dados granuloquímicos nem sempre são suficientes, sendo o reconhecimento das espécies minerais, suas proporções, forma de grãos e liberabilidade também fundamentais. Neste trabalho é apresentada a caracterização física, química e mineralógica de um minério de ferro da mina de Brucutu/Quadrilátero Ferrífero-MG. Foram realizadas análises granulométricas por peneiramento e granulômetro a laser, químicas por fluorescência de raios X e mineralógica por microscopia óptica e difração de raios X. Baseado nos resultados obtidos, o minério foi classificado como friável, com teor global de Fe igual a 42,9% e SiO2 de 36,1%. Os minerais de ferro identificados foram hematita e goethita e, o principal mineral de ganga o quartzo. Na fração +1,0 mm o quartzo ocorre majoritariamente em partículas mistas com os grãos de hematita e goethita. Abaixo desta granulometria, o mesmo ocorre como partículas livres. Acima de 0,15 mm a hematita é predominantemente porosa, e abaixo de 0,15 mm granular. A goethita encontra-se associada à hematita granular em todas as frações granulométricas.

Palavras-chave

Caracterização; Minério de ferro; Beneficiamento mineral.

Abstract

The characterization of an ore allows the predictability of its behavior in relation to the concentration methods. Only size and chemical analyses are not always sufficient, and the recognition of mineral species, their proportions, grain form, and liberability are also fundamental. In this work the physical, chemical and mineralogical characteristics of an iron ore from Brucutu mine in Quadrilátero Ferrífero is presented. Particle size analyses were carried out by sieve and laser granulometer, chemistry by X-ray fluorescence and mineralogical by optical microscopy and X-ray diffraction. Based on the results obtained, the ore was classified as friable, with an overall Fe content of 42.9% and SiO2 of 36.1%. The iron minerals identified were hematite and goethite, and the main gangue mineral was quartz. In the fraction +1.0 mm the quartz occurs mainly in mixed particles with the hematite and goethite grains. Below this size, the same occurs as free particles. Above 0.15 mm the hematite is predominantly porous, and below 0.15 mm granular. Goethite is associated with granular hematite in all size distribution.

Keywords

Characterization; Iron ore; Mineral processing.

Referências

1 Luz AB, Lins FF. Introdução ao tratamento de minérios. In: Luz AB, Sampaio JA, França, SCA. Tratamento de minérios. 5. ed. Rio de Janeiro: CETEM/MCP; 2010. p. 3-15.

2 Araújo AC, Amarante SC, Souza CC, Silva RRR. Ore mineralogy and its relevante for selection of concentration methods in processing of Brazilian iron ores. Mineral Processing and Extractive Metallurgy. 2003;112(1):54-64. http://dx.doi.org/10.1179/037195503225011439.

3 Brasil. Departamento Nacional de Produção Mineral. Sumário mineral 2015. Brasília: DNPM; 2016. p. 66-67. (vol. 35) [acesso em 31 jan. 2018]. Disponível em: http://www.anm.gov.br/dnpm/publicacoes/serie-estatisticas-eeconomia-mineral/sumario-mineral/sumario-mineral-brasileiro-2015

4 Rosière AC, Chemale FJ Jr. Itabiritos e minérios de ferro de alto teor do Quadrilátero Ferrífero: uma visão geral e discussão. Geonomos. 2000;8(2):27-43. http://dx.doi.org/10.18285/geonomos.v8i2.155.

5 Alkmim AR. Investigação geoquímica e estratigráfica da formação ferrífera Cauê na porção centro-oriental do Quadrilátero Ferrífero [dissertação]. Ouro Preto: Universidade Federal de Ouro; 2014.

6 Rocha JMP. Definição da tipologia e caracterização mineralógica e microestrutural dos itabiritos anfibolíticos das minas de Alegria da Samarco Mineração S.A [tese]. Belo Horizonte: Universidade Federal de Minas Gerais; 2008.

7 Donskoi E, Poliakov A, Holmes R, Suthers S, Ware N, Manuel J, et al. Iron ore textural information is the key for prediction of downstream process performance. Minerals Engineering. 2016;86:10-23. http://dx.doi.org/10.1016/j.mineng.2015.11.009.

8 Meyer M, Casagrande C, Martin LA, Zocatelli T. Influência da participação em maior escala do pellet feed da mina de Brucutu no processo de pelotização Vale-Tubarão. In: Anais do 44º Seminário de Redução de Minério de Ferro e Matérias-primas; 5º Simpósio Brasileiro de Minério de Ferro; 2º Simpósio Brasileiro de Aglomeração de Minério de Ferro; 2014; Belo Horizonte. São Paulo: ABM; 2014 [acesso em 5 fev. 2018]. Disponível em: https://www.researchgate.net/publication/272795890

9 Associação Brasileira de Normas Técnicas – ABNT. NBR 9507: minérios de ferro: determinação do teor de ferro total: método de redução por cloreto de titânio (III). Rio de Janeiro: ABNT; 2003.

10 Vale. Revisão dos recursos da Mina de Brucutu: relatório interno. Belo Horizonte: Vale; 2011. 58 p.

11 Amorim LQ, Alkmim FF. New ore types from Cauê Banded Iron Formation Quadrilátero Ferrífero, Minas Gerais, Brazil: responses to the growing demand. In: Proceedings of the Iron Ores Conference; 2011; Perth. Australia: AusIMM; 2011. p. 59-71.

12 Lima RMF, Lopes GM, Gontijo CF. Aspectos mineralógicos, físicos e químicos na flotação catiônica inversa de minérios de ferro de baixos teores, do Quadrilátero Ferrífero-MG. Tecnologica em Metalurgia, Materiais e Mineração. 2011;8(2):126-131. http://dx.doi.org/10.4322/tmm.2011.020.

13 Carvalho BCL. Aproveitamento de minérios de ferro de baixo teor: tendências, tecnologias utilizadas e influências no sequenciamento de lavra [dissertação]. Ouro Preto: Universidade Federal de Ouro Preto; 2012.

14 Silva MSS. Sinterização em escala de bancada de minério de ferro goethítico calcinado [dissertação]. Ouro Preto: Universidade Federal de Ouro Preto; 2014.

15 Leonel CML. Estudo de Processo de Calcinação como Operação Unitária Adicional na Pelotização de Minérios de Ferro com Altos Valores de PPC [tese]. Belo Horizonte: Universidade Federal de Minas Gerais; 2011.

16 Wills B. Mineral processing technology. Amsterdam: Amsterdam Press; 1992.

17 Ribeiro JP, Ribeiro CHT. GX-3600: world’s largest magnetic separator - up to 800 tph. Revista da Escola de Minas. 2010;63(4):691-694. http://dx.doi.org/10.1590/S0370-44672010000400015.

18 Rao SR. Surface chemistry of froth flotation: reagents and mechanisms. New York: Springer; 2004. p. 675-703. (vol. 2).

5c86b8310e88252928db04aa tmm Articles
Links & Downloads

Tecnol. Metal. Mater. Min.

Share this page
Page Sections